2009 - Projeto Arquitetônico, interiores e Execução do

Projeto Tapera

Residência de Campo de Zuleika Borges Torrealba, Bagé, RS, Término da obra 2010/11.

 
 

Tapera 3
Tapera 3

tapera 08
tapera 08

110713_174712VivaFoto_-_Cópia
110713_174712VivaFoto_-_Cópia

Tapera 3
Tapera 3

1/16

Este projeto nasceu no momento em que a proprietária, executiva carioca, compra 14 há lindeiros à sua propriedade rural em Bagé. Estes 14 ha são uma coxilha com 4 grandes árvores centenárias, um par de álamos ao Sul e um Angico e uma Timbaúba à Nordeste no ponto mais alto da coxilha e distanciadas 50metros de uma velha Tapera, casa original da propriedade, volume de 2 águas, 8m x 12m, singela ruína voltada perfeitamente ao Norte como os antigos sabiamente se posicionavam. Me foi pedido uma residência, resumo de uma vida já octagenária, cheia de cultura , memórias e afetos.

Parti de meu princípio filosófico que busco desde minha tese de mestrado(1990), a preservação do Genius Loci ou Espírito do Lugar, a ruína já estava perfeitamente voltado ao Norte, precisei apenas conservar sua casca intacta, estruturá-la com paredes de concreto internamente, desenhar uma cobertura de vigas de eucalipto reflorestado com fragmentos unidos por finger joint copiando exatamente o caimento do telhado original da pequena casa e ali criar uma piscina térmica e jardim de inverno necessários a hidroginástica diária da proprietária. Na volta da ruína, agora água e coração da casa que nasceu o projeto. Duas Suítes ao Leste para os proprietários com o Sol, caminharem em direção ao Norte para um jardim de inverno na esquina Nordeste, e, ali escolherem se passam pela sala e vão para a água, ou se saem ao encontro do Angico e da Timbaúba para um deck de velhos dormentos contemplar a vista da várzea do arroio Bagé que ali passa depois de ter cruzado toda a cidade de Bagé que à noite se vislumbra.

Neste abraço que faço à ruína, trabalho com os eixos Norte/Sul, quando chegamos à residência passamos por um velho portão de ferro garimpado em Petrópolis-RJ e vamos por uma estrada em arco dirigido ao Leste e arborizado com trios de álamos colunares ali implantados pelo paisagista Frederico Karam, vislumbramos ao fundo Sul os dois velhos e gigantes álamos. Ao fim do caminho em arco encontramos um muro que barra o vento Minuano, feito em pedras antigas coletadas na região de Torrinhas, neste muro atravessamos um portão de uma antiga senzala comprado em Pelotas e acessamos o pátio interno. No pátio, pavimentação em arenito amarelo, jardins, 3 aptos de hóspedes, espelho d´água, uma imagem de São Francisco e enfim a grande porta de entrada, mineira de uma capela do séc XVIII, garimpada pelo professor José Alberto Nemer. Nesta grande porta entramos na casa pelo Sul onde um grande hall nos distribui, ao Leste para as 2 suítes, ao Oeste para um lavabo e para cozinha e serviços, e ao Norte para a sala 8x14 que nos aguarda com um vidro fixo 2,5 x 2,5 na parede Norte nos mostrando a vista da Fazenda.

O projeto se integra à paisagem, o pé direito é alto, 4,5m para abrigar as portas internas garimpadas em demolições mas a volumetria externa tenta se adaptar a curvatura da coxilha com um telhado de telhas antigas de coxa na capa e no canal telhas novas, beirado com Eira, Beira e Tribeira como nas casas ibéricas de nossas origens.Usamos paredes duplas,tijolos maciços na face externa caiados em terracota,, as esquadrias externas são Scheid, vidros duplos, tampões e telas que desaparecem ao se abrirem para o interior das paredes; piso radiante com caldeira à Diesel e apoio solar.; Fizemos laje com porão no piso para melhor isolamento térmico da casa e criamos uma vala técnica de passagem de tubulações que temos acesso por baixo da casa.

Esta casa são 1000m²  fruto de um trabalho árduo de uma equipe que dedicou à ela muito amor, muitos foram os colaboradores para que ela se concretizasse, obra e interiores em um ano e três meses, considero que a proprietária, os construtores, Márcio Porcellis e Wanderley Soares da Construtora Pampa Gaúcha, e eu tivemos um momento de integração único, que tenho certeza, nunca esqueceremos.


Arq. Eulália de Souza Anselmo
Bagé RS Setembro 2013